segunda-feira, 7 de fevereiro de 2011

Vencedor do Jabuti, José Rezende Jr. lança coletânea Estórias mínimas

Por Nahima Maciel, em Correio Braziliense

"O escritor José Rezende Jr. ficou intrigado quando ouviu falar do Twitter. Foi no fim de 2009, e a ideia de escrever ficção com apenas 140 toques parecia desafiadora. Rezende abriu a conta no Twitter, mas acabou atropelado por um convite. Mal teve tempo de aprender o funcionamento do site antes de aceitar escrever microcontos para uma coluna semanal na revista eletrônica Terra Magazine. A prática virou um exercício divertido e cheio de humor, que agora salta das páginas da rede para o papel em Estórias mínimas

Há temas que não escapam à pena de Rezende. Solidão, amores e desamores, desejo, morte, violência, tempo e envelhecimento perpassam os microcontos da mesma forma que deram o tom aos textos de Eu perguntei pro velho se ele queria morrer (e outras estórias de amor), vencedor do Jabuti de melhor livro de contos de 2010. “O grande diferencial dos contos normais no meu processo de criação é o tempo de maturação. Até a ideia virar um conto é um demorado. Nos microcontos, o tempo de maturação é curto. Eu sentava no computador e escrevia”, comenta.

O humor está entre os diferenciais mais notáveis da estórias de duas linhas. Houve pouco deste componente nos contos de Eu perguntei pro velho…. Rezende não gosta do humor gratuito, do riso pelo riso, por isso evitava um pouco esse estado de espírito. Nos microcontos, fez concessões. “Não foi proposital, o humor surgiu como um elemento”, avisa. O limite entre aforismos, piadas e verdadeiras micronarrativas está na capacidade de inserir um universo ficcional nos 140 toques. “Minha intenção é contar uma história. Tem personagens. Tem um antes e um depois. E um desfecho.”


Nenhum comentário:

Postar um comentário

 

satara