quarta-feira, 1 de setembro de 2010

Poema de "Monodrama", finalista do Prêmio Portugal Telecom 2010



Foto: Rafael Moraes

Leia um dos poemas de Monodrama, de Carlito Azevedo, que concorre à 8ª edição do Premio Portugal Telecom 2010

PÁLIDO CÉU ABISSAL
que não nos protege,
é antes cúmplice, ou mentor
intelectual dessas ruínas,
de nossas mentes estropiadas.
Ao passar por certas casas e ruas
suburbanas, ocorre às vezes
de nos depararmos com algo
que brilha deslumbrante e dissimétrico,
e nos comove a ponto de nos
perguntarmos se de sua aparição
escandalosa, sua cauda
luminosa de átomos e vazio,
poderão surgir algum dia
moças asseadas em vestidos
de flores, conduzindo pela
mão crianças bem penteadas
para a Escola Municipal,
o Sonho Municipal.
Parei um dia em uma dessas
praças e, deitado sobre a
grama, me pus a escutar a
desconexão absoluta de
todas as falas do mundo, de
todos os sonhos do mundo.
Ao levantar-me para buscar
um pouco de água no tanque
vazio vi (me encarava)
uma ratazana que ainda
assim me lembrou
Debra Wingers
abandonada no deserto.


Para ler outro poema clique aqui.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

 

satara