sexta-feira, 2 de julho de 2010

Rodrigo de Souza Leão no "Prosa & Verso"


Rodrigo de Souza Leão foi homenageado pelo suplemento literário Prosa & Verso, do Jornal O Globo, que publicou uma matéria sobre a vida e a obra deste escritor e pintor carioca.

"Um surto de arte (morte e ressurreição de Rodrigo de Souza Leão)"

"Um ano depois de sua trágica morte, o escritor e pintor esquizofrênico Rodrigo de Souza Leão renasce com novo romance, 35 telas e reedição do livro de estreia

Texto de Arnaldo Bloch

“Só vou morrer se eu ganhar o Nobel”, escreveu Rodrigo de Souza Leão, aos 43 anos, na superfície do último óleo sobre tela que pintou, em 2009. Depois de 20 anos sem sair de casa — exceto quando arranjava uma namorada (via telefone ou e-mail), e os pais o levavam às respectivas alcovas —, ele enfim cedera: começara a frequentar as aulas de João Magalhães no Parque Lage. A produção de telas aumentou até atingir 35, algumas de grandes dimensões. A produção literária também: um ano transcorrido do sucesso cult e da fortuna crítica de Todos os cachorros são azuis (7Letras) — livro que narra o surto em que se manifestou sua esquizofrenia, aos 23 anos —, estava prestes a concluir um romance novo, de fôlego, Me roubaram uns dias contados (a ser lançado no próximo dia 2, primeiro aniversário de sua morte, pela Record).

— O trabalho do Rodrigo mistura mundo interno e externo de maneira radical. É uma escrita feroz. O cara não brincava em serviço, não escrevia por charme ou pedantismo. Escrevia com imensa coragem, para resistir à loucura, e para existir — reflete o crítico José Castello, colunista do GLOBO. "


Leia na íntegra "Um surto de arte (morte e ressurreição de Rodrigo de Souza Leão)", com texto de Arnaldo Bloch e fotomontagem de Cristina Cariconde.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

 

satara