terça-feira, 2 de março de 2010

LANÇAMENTO EM BH: MONODRAMA, de Carlito Azevedo, e AMBIENTE, de Walter Gam




Monodrama
Monodrama vem quebrar o jejum de 13 anos de Carlito Azevedo, um dos mais importantes poetas brasileiros da atualidade. Poemas extensos e uma multiplicidade de personagens surgem deste que é o livro mais político, no sentido amplo, do autor, mas também o mais irreverente e emocionado. A pauta autobiográfica da série "H." é uma novidade no estilo do autor.

Se alguém ainda quiser saber para que serve a literatura, a resposta está dada: para que de vez em quando alguém escreva um poema como esse H., do Carlito Azevedo.
Bernardo Carvalho

Ambiente
Walter Gam surpreendeu muita gente quando, aos 19 anos, foi o vencedor do Prêmio Redescoberta da Literatura Brasileira, promovido pela Revista Cult, com o livro Variações de um movimento íntimo, de 2002. Sete anos depois, o autor volta mais amadurecido em Ambiente. Com referências contemporâneas, a originalidade de Walter Gam reside, em parte, na porosidade entre seu trabalho poético e seu trabalho como artista plástico, na incorporação de materiais e matérias não muito frequentes em poesia.

Leia um poema de Monodrama, de Carlito Azevedo, e de Ambiente, de Walter Gam

Uma tentativa de retratá-la [Carlito Azevedo]

Num dancing é mais difícil
pela chuva de ouro nos cabelos,
e a viagem circular absoluta pela
pista. Mas o século 21 preservou
ainda as bibliotecas, sistema de
sistemas que nos permite pressupor
que em sua bolsa convivam,
como dois faunos se encarando,
Lancôme e La Celestina.
Mas bibliotecas são também
esforços infinitos, fluxos imparáveis,
luminescentes, olhos em
ziguezague, vibração de mãos
pousando em páginas antigas,
com mandíbulas de bolor, e
todos os relâmpagos que há nisso.
Um derradeiro “motivo” seria o da
Jovem Em Um Carro Veloz
Falando Ao Celular; clausura
móvel onde soletrar palavras de
amor e perder tudo, manipular
as intermitências do desejo (e
perder tudo), imolar violetas
retardatárias. O planeta também
imola seus retardatários. Entre
operários na calçada, no frio,
aguardando a sirene da mudança
de turno? Talvez, talvez. De
certo modo ela se parece cada
vez mais com o que escreveu
o seu poeta favorito:
“Piccolo, sempre piú piccolo.
Pigmeo, sempre piú pigmeo”.
Por isso nem dancings, nem
bibliotecas nos bastam. Nem
a balada do automóvel insone.
Isso, e nem a cama alta onde
agora, contudo, sorri
esse shakespeariano animal
que logo existe.

Aka [Walter Gam]

1

uns dias de prazo e é certo
o que busca
nas marcas do último que andou por aqui.
não há serviço secreto e ainda que
falhasse o plano b
essa de remontar os fósseis
desvenda muito pouco
antes disso conhece o
trajeto dos capinzais
é que uma hora
é que o isolamento repete
e que nada pra já
conecta parte das elipses
mas as versões são uma chance
uma visita repentina com
listras e jeans
e o brilho? não digamos que
seja uma fonte disso, tampouco
que a vista não cubra
mais de 200 graus
daqui como saber o norte ou
melhor, também teve uma camiseta de alvo.
e se as coordenadas indicam pra lá
ou o que te parece

2

eu assisti quando vamos pra casa
pouco depois de terem colhido cogumelos e
olhado em troca
comentando porque
atravessar esse tempo só
pra registro do que
pensa antes que a ocasião dos latidos
tome conta.
eu precisava, algo como
mudar a estratégia
como quem tentasse sair de um chão
coberto com água e batesse os pés e provocasse
bases de áudio
close, textura digital.
essa que se torna a
confluência que você quis criar
com a órbita composta
pelo espiral no lago


Dados dos autores
Carlito Azevedo nasceu em 1961, no Rio de Janeiro. É autor de Collapsus Linguae, As banhistas, Sob a noite física e Versos de circunstância. Em 2001, publicou a antologia Sublunar, que reúne poemas dos seus livros anteriores publicados ao longo de dez anos (1991-2001).

Walter Gam nasceu em 1983, em Belo Horizonte. Em 2002, recebeu o prêmio publicação concedido pela revista Cult, de São Paulo, com o livro Variações de um movimento íntimo. É formado em artes plásticas e desenvolve trabalhos com vídeo, instalação, desenho, pintura e fotografia.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

 

satara